Dicas para morar e estudar em Paris por Tati Baronian

 

Pensando em estudar ou morar em Paris, mas não sabe por onde começar? Nossa colaboradora na cidade, a designer Tati Baronian, divide um pouco do seu dia a dia e os desafios de se instalar em um país diferente, além de dicas preciosas para as brasileiras que pretendem chamar a capital francesa de casa. Olha só:

Mudei para Paris no início de 2017 - no final do ano passado meu marido foi convidado a trabalhar em uma agência de publicidade na França. Foi tudo muito rápido (foram só três meses entre a proposta e a mudança) e também muito difícil, já que estávamos ansiosos, mas também cheios de ressalvas.

No primeiro mês, moramos na praça mais antiga de Paris, a Place Dauphine na Île de la Cité, onde se encontra também a Catedral de Notre Dame. Foi muito tranquilo, pois estávamos em um apartamento alugado pela empresa que era muito central. Durante este período fiquei focada em achar um lugar nosso! Ainda no Brasil, comecei pesquisando no famoso site Seloger. O site agrega quase todas as imobiliárias da França e é fácil de procurar apartamentos por lá.

Uma boa dica para quem quer estudar em Paris é que a própria escola pode te ajudar a encontrar um lugar bacana. Além disso existem os colocations, apartamentos tipo república nos quais você aluga apenas um quarto e divide as dependências com o restante dos moradores. É bem mais barato e prático!

 

LEIA MAIS

Compre como uma parisiense com dicas de uma insider

Três lugares imperdíveis para comer doces em Paris

Cinco restaurantes para ir a dois em Paris por Lu D'Angelo

 

Nossa procura foi entre os distritos 10, 11, 15 e 16. O 10 e o 11 são mais hipsters - estudantes e novos artistas lotam os bares, cafés e baladas. Lá está também o Canal Saint Martin, um super spot da cidade, onde no verão são construídas as famosas Praias de Paris. Já o 16 fica praticamente do lado da Torre Eiffel e perto de um dos maiores parques de Paris, o Bois de Boulogne. Este distrito não é tão agitado e está entre os bairros mais caros da cidade, apesar da vista deslumbrante.

Escolhi morar no 15 arrondissement, um bairro bem familiar, com muitas escolas, praças e parques. É calmo, mas ao mesmo tempo tem um certo agito,
como as ruas Convention e Vaugirard, onde há bares, restaurantes, lojas e cinemas. Eu moro ao lado do Parc Georges-Brassens e, nos arredores, existem vários
cafés pet friendly - é onde costumo passear com a Joaquina, minha cadelinha.

Após me instalar, procurei um bom curso de francês! Uma dica incrível é se inscrever nos cursos da prefeitura através deste site - existem intensivos, classes à noite e várias outras opções baratas. Eu adorei as aulas, pois nelas você conhece muitas pessoas, todas de nacionalidades diferentes e histórias fantásticas.

Depois de dominar a língua, estava determinada a achar uma universidade para fazer minha especialização em moda. Existem várias aqui com essa expertise, como a ESMOD e a IFA Paris, além de sedes de instituições renomadas como a Parsons e o Istituto Marangoni. Acabei optando pela ESMOD e me inscrevi em um curso que aborda a criação de coleções de um modo bem detalhista e permite a opção de especialização em alta-costura.

 
Adorei as aulas de francês, pois nelas você conhece muitas pessoas - todas de nacionalidades diferentes e histórias fantásticas.
 

Para se candidatar, é preciso mandar uma inscrição por e-mail. Na segunda etapa eles te pedem um dossiê, espécie de processo seletivo aqui na França -
você tem tarefas para apresentar, como desenhos, projetos ou coleções que já criou (no caso dos cursos de moda). Assim, eles analisam o seu potencial
e te dão passe livre para seguir em frente!

No caso da ESMOD é possível se candidatar direto do Brasil e a própria instituição te ajuda a tirar o visto de estudante. Você pode chegar algumas semanas antes como turista - por lei podemos passar 90 dias na França sem exigência de visto - e faculdade ou universidade te auxilia com os trâmites e papeladas.

HOTSPOTS DA TATI EM PARIS

1. Os bares na beira do Sena são muito legais - alguns estão na Pont Alexander III, outros perto da Ilê de la Cité. Mas fique de olho: muitos deles só abrem no verão.

2. Não deixe de ir ao Canal St Martin - por lá, amo a cervejaria Paname e o Le Petit Cambodge. Nas redondezas há também o concorrido restaurante Ober Mamma. Ele faz parte do Grupo Big Mamma, dono de sete estabelecimentos espalhados por Paris - todos muito bem decorados, com preços atrativos e cardápio italiano.

3. Para não sentir saudades do Brasil, existe um grupo de samba que se reúne todo segundo domingo do mês no La Petite Halle. Eles cantam os clássicos de Paulinho da Viola, Cartola, Chico Buarque, João Nogueira e Caetano Veloso. A entrada é grátis e fica sempre cheio de brasileiros e franceses que adoram a nossa cultura.

Fotos: Mirelle e Laura Campanella