SXSW por Camila Coutinho

 
 

convocamos a blogger e musa de estilo camila coutinho para acompanhar o festival south by southwest, em austin, no texas. e além de ter desfilado looks amaro incríveis, ela fala sobre os principais highlights do evento, que também contou com uma palestra do nosso fundador e ceo, dominique oliver.

 
 

 

SXSW por Camila Coutinho

Foi minha primeira vez no South by Southwest e eu fiquei completamente fascinada pelo festival! É tanta coisa para ver, ouvir e aprender que confesso que ainda nem consegui processar tudo, viu! haha Mas vou destacar aqui os assuntos que mais me chamaram a atenção por lá + algumas dicas sobre Austin, a cidade que abrigou o evento e pela qual eu simplesmente me apaixonei!

IMG_7755.gif

 

Tendências

O uso de “big data” foi sem dúvidas um dos temas que mais se destacaram no festival. Com tantas informações sobre tudo circulando por aí, como é possível usá-las a favor das empresas (e, claro, do cliente também?). Foi muito legal ouvir Dominique Oliver, fundador e CEO da AMARO , falando sobre esse outro lado da marca - porque a parte visual, de ter aquela peça tendência da vez, de estar nos looks dos influenciadores e tal, a gente já conhece, né? Mas nem imaginamos todo o embasamento, a “ciência” que fez a AMARO virar esse fenômeno.

O que você compra, como, quando, são informações que são cruzadas e resultam em um algoritmo que apresenta para o consumidor exatamente não só o que ele quer ver, mas também o que precisa - através de dados geográficos é possível oferecer um anúncio com peças para um dia chuvoso para pessoas que estão naquela exata região, por exemplo! Essa “catalogação” de informações não é só comportamental, mas também abrange cada característica do produto. Assim a marca consegue entender quais são as tendências mais desejadas e leva isso para produção, oferecendo estoque suficiente para suprir essa demanda.

 

A AMARO também percebeu que há um grande público que ainda não compra online e apostou nas Guide Shops, que oferecem a experiência offline não só para que o cliente prove as peças, mas também pegue, toque, comprove a qualidade do produto. Toda essa ação que acontece vai para o banco de dados também, complementando esse panorama riquíssimo que fez da marca um verdadeiro case. A informação nunca foi tão valiosa, e quem percebe (e investe) nisso sai na frente!

Outro assunto que bombou no SXSW foi o uso de Inteligência Artificial! E é engraçado porque parece algo muito distante da realidade, mas, como a pesquisadora norte-americana Amy Webb falou em sua palestra, ela já está acontecendo - não é uma tendência, mas sim a nova era da computação! A “A.I.” (artificial intelligence) atua desde esse cruzamento de dados, facilitando uma abordagem mais certeira e customizada ao cliente, à criação de personagens…  sim,  já existem avatares virtuais que são, também, influenciadores (a @lilmiquela é uma das mais famosas)!!

 

Imagina que loucura, as próprias marcas agora podem criar seus influenciadores! Seriam eles então uma concorrência pra gente? hehe Olha, penso comigo que por mais avançado que seja o algoritmo tem uma coisa que o robô não pode fazer: ser criativo! Pensar fora da caixa, criar algo novo, surpreender… é algo que nenhuma automatização (ainda) substitui!

Por fim, se você, como eu, passa o dia grudada no seu celular, prepare-se para cair da cadeira: outro dos assuntos mais comentados do SXSW foi o fim dos smartphones! [insira emojis chocados! kkk] A explicação é simples: só é possível evoluir tecnologicamente se trabalharmos com gadgets individuais. O modelo do celular que concentra câmera, player de música e etcs. chegou ao seu limite nesse quesito, voltaremos então a ter aparelhos separados para que se possa explorar o máximo de cada função - e pense em fazer isso utilizando especialmente comandos de voz e reconhecimento facial, as digitais do futuro!


 

28751068_118249372288121_497319193826295808_n.png

 

Sobre Austin

Um conselho que posso dar não só sobre Austin, mas para qualquer destino: não tenha medo de ser “turistona”! haha Em vez de chamar um carro resolvi pegar um “taxi bike” para fazer um trajeto à noite e foi tããão legal! Por 10 dólares (pechinchei viu!) fiz um passeio delícia que deu também uma outra visão da cidade… você vai observando tudo com calma, as luzes, o estilo do pessoal… recomendo!

Como fiquei muito imersa no festival acabei não conhecendo tanto de Austin em si (e ano que vem já quero voltar com a família para aproveitar TU-DO!), mas uma coisa tive que fazer: provar o Gus’s World Famous Fried Chicken! O cheiro que saía desse lugar era delicioso, não podia ir embora sem provar e olha… valeu mesmo muito a pena!